REBIO do Tinguá

A Reserva Biológica do Tinguá ocupa uma área atual de 26.260 hectares de bioma Mata Atlântica – Floresta Ombrófila Submontana, Floresta Ombrófila Densa Montana e Floresta Densa Altomontana – sob o Decreto nº 97.780 de 23 de maio de 1989 que regulamenta a sua criação a fim de proteger uma amostra representativa da floresta de encosta atlântica, com sua flora, fauna e demais recursos naturais, em especial os seus recursos hídricos.

A Rebio do Tinguá ocupa os municípios de Nova Iguaçu (55,14%), Duque de Caxias (37,44%), Petrópolis (4,26%) e Miguel Pereira (3,16%). Conforme demonstra o mapa abaixo:

01
Distribuição da Rebio do Tinguá por Municípios.
Fonte: http://geo-pet.blogspot.com.br – Instituto Multidisciplinar UFRRJ

O gerenciamento da reserva é pelo ICMBio vinculado ao CR8 – Rio de Janeiro. A sede da Rebio do Tinguá está localizada na Estrada do Comércio, nº 3400 – Tinguá, Nova Iguaçu / RJ – CEP: 26.063-630.

A Rebio do Tinguá, por abrigar uma extensa área verde, tem muitas nascentes que fazem com que seja considera uma importante bacia produtora de água potável que abastece o Rio de Janeiro. Ainda na época do império, D. Pedro II – em 1880 – inaugurou a rede de captação que leva água potável para a capital.

 

16195017_395733557429414_8151544954923071009_n
Simbolo da Reserva Biológica do Tinguá (Foto: Internet / ICMBio-MMA (Divulgação)

 

VISITAÇÃO

A visitação não é permitida, a não ser para fins educacionais. Visitas guiadas em trilha circular na região da sede com turmas de colégios previamente agendadas.

Conforme preconiza a Lei 9.985/2000, que criou o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (Snuc), em seu artigo 10º, a reserva biológica é uma unidade de conservação do grupo de proteção integral e tem como objetivo a preservação da biota (conjunto de seres vivos) e demais atributos naturais existentes em seus limites, sem interferência humana direta ou modificações ambientais, excetuando-se as medidas de recuperação de seus ecossistemas.

As reservas biológicas são de posse e domínio públicos, portanto, áreas particulares que estejam incluídas em seus limites antes da data de criação devem ser desapropriadas. Portanto a visitação só é permitida para fins educacionais ou para a pesquisa científica, desde que autorizada pelo ICMBio.

 

Texto: ICMBio / Wikiparques / Internet.

Projeto “SER” Ambiental 2017©®™